Conselho Deliberativo quer retirada de regime de urgência de PLs que desmontam o IPE

O Conselho Deliberativo do IPE quer que o governo do Estado retire o regime de urgência dos projetos 206 e 207/2017, que tratam do novo IPE Prev e tramitam na Assembleia Legislativa. Ao lado dos projetos 211, 212, 213 (que tratam do IPE Saúde), eles integram um verdadeiro pacote de desmonte do Instituto. "Não queremos ferir a questão de mérito dos projetos, mas sim, tirar o pedido de urgência dos projetos do IPE- Prev, para termos tempo para um diálogo mais aprofundado", explicou o presidente do Conselho, Luis Fernando Alves da Silva, na tarde desta segunda-feira (30/11), durante reunião da Frente Parlamentar do Serviço Público. O encontro foi momento de alinhar a argumentação dos servidores e esclarecer questões ainda nebulosas sobre a proposta do Executivo que impacta na vida de mais de 1 milhão de gaúchos na saúde e no futuro previdenciário de mais de 300 mil servidores.

Os rumos do IPE serão alvo de audiência pública que será realizada nesta quarta-feira (01/11), às 9h30min, no Plenarinho da Assembleia. Segundo Silva, as propostas foram encaminhadas pelo governador José Ivo Sartori e pela presidência do IPE de forma unilateral e sem análise do conselho, nem mesmo dos membros que representam o governo no colegiado. O presidente ainda argumenta que o grupo já vem trabalhando há três anos em um plano de atualização da gestão do instituto, o que não foi nem mesmo ponderado pela atual direção do IPE. Outra crítica dos servidores é que os projetos terminam com a paridade de gestão do instituto, atualmente dividida entre servidores e governo. "Se o projeto passar, o governo terá sempre maioria", explicou Silva. 

O encontro desta segunda-feira contou com a presença de deputados e lideranças classistas. Após exposição sobre as matérias, líderes classistas se alternaram em manifestações contra o pacote do governo.

Foto e Texto: Carolina Jardine