Aquino despede-se com agradecimento

 

Em seu último gesto como presidente do Tribunal de Justiça, o desembargador José Aquino Flôres de Camargo uniu as mãos sobre os lábios e deixou um beijo à plateia que ouvia seu discurso emocionado de despedida.  Foi com a voz embargada que ele detalhou as dificuldades enfrentadas nos últimos dois anos e suas conquistas à frente do Poder Judiciário o que, segundo ele, foi possível graças a novas e modernas ferramentas de gestão.  Aquino lembrou que, hoje, o Rio Grande do Sul é o estado com menor custo por processo do Brasil e que conseguiu reverter o fluxo de a vazão em 2015 (quando se julgou mais processos que o número de ações que ingressaram). “Um Judiciário forte não se faz sem muitas mãos”, pontuou, agradecendo aos servidores pelo envolvimento e dedicação.

 

Ao qualificar seu sucessor, Aquino definiu o novo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Luiz Felipe Difini, como um homem de inteligência rara e agradeceu pela ajuda prestada durante a gestão que finda. Também pontuou o serviço do restante da Administração, dos magistrados e dos servidores. "Nossa gestão representou uma mudança de paradigmas. A transição política entre a estabilidade da antiguidade e a ansiedade da mudança", asseverou o desembargador Aquino.