União Gaúcha analisa audiência pública

O colegiado da União Gaúcha em Defesa da Previdência Social e Pública (UG) se reuniu, nessa segunda-feira (6/11), para analisar os encaminhamentos gerados pela audiência pública que discutiu os projetos de divisão do Instituto de Previdência do Estado (IPERGS), na última quarta-feira (1º/11). A audiência foi articulada pelo Conselho Deliberativo do Instituto, e contou com o apoio de deputados estaduais e segurados do sistema, além da presença do diretor-presidente do IPE, Otomar Vivian. O presidente da ASJ, Paulo Olympio, e vice-presidente da ASJ, Luís Fernando Alves da Silva, que também é presidente do Conselho Deliberativo do IPE, participaram do encontro.
    
No entendimento dos conselheiros, a audiência foi de extrema importância para mostrar a força das entidades. Para Silva, as manifestações foram muito consistentes e auxiliaram na adesão dos deputados que estavam presentes. “Se tem uma perspectiva positiva no ponto de vista dos deputados com a criação do Fórum, proposto no ato da audiência pública, que nos coloca no centro das discussões”, enfatizou.
    
A repercussão da mídia também foi um ponto positivo na visão do colegiado. Segundo a UG, a audiência foi um assunto de utilidade pública, o que garantiu um ótimo aproveitamento nos debates. Silva garantiu que as articulações irão seguir dentro da Assembleia Legislativa, e também destacou que a retirada do regime de urgência dos PLs 206 e 207/17, que tratam do IPE-Prev, é o principal objetivo no momento.
    
Olympio parabenizou o trabalho realizado pelo vice-presidente da ASJ. Segundo ele, Luís Fernando articulou muito bem as demandas necessárias para os segurados.


PLs 206 e 207
    
O Conselho Deliberativo da UG também estudou, nessa segunda-feira, minuciosamente, o Projeto de Lei 206/17. O projeto trata da parte previdenciária do IPE e segue em regime de urgência da ALRS. O objetivo do estudo é destacar os erros de redação e contradições dos PLs, e, a partir disso, iniciar o debate. O PL 207/17 ficou para a próxima pauta da UG.
    
Para Olympio, as entidades devem ter uma certa ousadia na hora de sugerir possíveis emendas. Com isso, o governo pode se fragilizar na hora de votar os projetos.

Texto e Foto: Letícia Breda