Especialistas buscam avanços na prevenção do câncer bucal

 

Dos mil novos casos de câncer bucal que surgem no Rio Grande do Sul a cada ano, a metade dos pacientes morre nos primeiros anos após o diagnóstico. A frequência da doença está estável desde 1979, projetando o alcance de 38 mil pessoas em quase quatro décadas, conforme estimativa do Instituto Nacional do Câncer. O assunto foi discutido no dia 24 de maio para avaliar os efeitos da lei estadual 12.535, de 14 de junho de 2006, que instituiu no Rio Grande do Sul o dia 31 de maio como Dia Estadual de Luta Contra o Câncer Bucal. A lei foi iniciativa do ex-deputado Adroaldo Loureiro.

Maio Vermelho

A cirurgiã-dentista e estomatologista da prefeitura de Porto Alegre Juliana Romanini, responsável pela articulação do Maio Vermelho, mostrou os números da doença, que a cada ano alcança novos mil gaúchos e provoca a morte de 50% dos casos nos primeiros anos diagnosticados. São pessoas entre 45 e 70 anos de idade. O tabagismo é o principal fator de risco, ao lado do alcoolismo, a exposição solar dos trabalhadores, produtos químicos e outros fatores. Ela observou que Porto Alegre lidera o ranking nacional em consumo de cigarro - 15% da população adulta é fumante -, e apontou o acesso precoce às bebidas alcoólicas como facilitadores da doença.
 
Diante da constatação de que em 40 anos se mantêm estável a mortalidade de 50% dos casos diagnosticados nos primeiros anos, a profissional identifica a dificuldade para detectar a doença na sua fase inicial, quando é facilmente reconhecida no exame clínico da cavidade bucal. “A doença tem sido identificada nos estágios mais avançados”, lamentou. Na preocupação com a prevenção, Romanini indaga sobre os equipamentos de segurança do trabalho, como o protetor solar para os trabalhadores expostos ao sol, e destaca que as vítimas do câncer bucal estão numa faixa produtiva. Ela contou iniciativa surgida em Júlio de Castilhos, onde através do Odontobaile foi possível realizar os exames de prevenção.

Estratégias de ação

Romanini avaliou as atividades desenvolvidas pelo comitê das entidades de classe da Odontologia nestes dez anos, depois da lei estadual que instituiu o dia 31 de maio para registrar ações de prevenção, no mesmo dia em que mundialmente o tabagismo é combatido. Tanto os profissionais da Odontologia, auxiliares e agentes comunitários de saúde, quanto a sociedade tem sido acionada anualmente para as campanhas de prevenção ao câncer bucal. Outra estratégia tem sido articular com os municípios essas ações, que focam no diagnóstico precoce e nos problemas nas linhas de cuidado do paciente. Apesar das restrições de recursos, o comitê conta com apoio do Conselho Regional de Odontologia. A Assembleia Legislativa tem participado no patrocínio de cartilhas.


Em Porto Alegre, no ano passado a campanha treinou equipes de saúde bucal para a realização das ações de prevenção, incluindo a capacitação para o tratamento do tabagismo. Nove regiões da cidade receberam as ações de prevenção, com o exame de 1.500 pessoas por dentistas da rede municipal e alunos da pós-graduação em odontologia. Dessas pessoas, 10% foram encaminhadas para avaliação especializada com estomatologista e destes, três casos de câncer foram confirmados e estão em tratamento hospitalar.

Também o ex-secretário da Saúde, Sérgio Bechelli, esteve na audiência pública, assim como representante do Grupo Hospitalar Conceição.

No dia 31 de maio, no Largo Glênio Peres, diversas ações de saúde bucal serão realizadas, dentro da programação da Semana Estadual de prevenção da doença.

Foto: Guerreiro / ALRS
Texto: Agência de Notícias / ALRS